mandrágora

associação cultural fundada em cascais – no ano de 1979

Month: Maio, 2013

“A fumaça disse-me que sim” – um espaço ao monólogo

by domadordesonhos

fum-001

 

“A fumaça disse-me que sim” é um monólogo criado e encenado por Manuel Almeida e Sousa e interpretado por Cláudio Henriques. O ambiente sonoro é o resultado de uma experiência em estúdio de Ricardo Mestre. “A fumaça disse-me que sim”, retrata estados (vários) de uma personagem masculina que se perde (e se encontra) no absurdo. A paixão, o desejo e o prazer são alguns dos sentimentos com que a figura joga em palco. Um jogo em cena que o transporta a um estado de quase desespero. O ridículo e o “sem sentido” das situações, marcam uma presença constante no percurso da acção que se pretende teatro

FICHA ARTÍSTICA E TÉCNICA

Produção: Mandrágora e Sociedade de Instrução Guilherme Cossoul Interpretação: Cláudio Henriques

Encenação e texto de Manuel de Almeida e Sousa

Sonoridades: Ricardo Mestre

Iluminação: Tiago Pereira

fum-002

fum-003

fum-004

fum-005

fum-006

fum-007

edita em lisboa —> foi assim:

by domadordesonhos

EDITA

 

voltámos de EDITA & vamos para EDITA

by domadordesonhos

20 anos de EDITA

aí estivemos. em punta umbria (província de huelva – espanha).

edita0000

 

contamos com 18 presenças, 18 percursos, 18 acções
e
muitas cumplicidades.

edita008

 

 

editores independentes aí se juntaram (mais uma vez) para reafirmar um outro conceito de editor. aqui o editor é muito mais que editor – o editor é um actuante. logo um actor que carrega as suas malas prenhes
de utopias
de projectos
de ideias
de sonhos

edita010

 

 

e os sonhos são expostos para quem os queira consumir ou apenas contemplar.
em EDITA apresentámos, ao longo destes 20 anos, as nossas bicicletas de papel
e
em EDITA cativámos vários artistas e poetas de relevo para outras viagens ciclistas
em EDITA apresentámos as nossas performances e, também, os nossos espectáculos em processo

bicicleta_pd_img_0

hoje, à distancia de 20 anos, resolvemos trazer EDITA a lisboa. é já dia 10 (sexta-feira) que abrimos as portas da sociedade guilherme cossoul

edita013

 

e

para que conste, cumpriremos o programa que se segue:

Dia 10, Sexta-feira (tarde)
Guilherme Cossoul de Campolide

15H00-15H30: Abertura da Feira. Comunicações pelo Presidente da Sociedade de Instrução Guilherme Cossoul, Miguel Santos, pelo Director da Mandrágora, Manuel Almeida e Sousa, e pelo Director do EDITA, Uberto Stabile.
15H30-16H00: Inauguração da exposição EDITA Nómada, da exposição do catálogo fotográfico de Ignacio Valdez e da instalação “Infracções Design” de Luísa Coder e José Russell.
16H00-16H30: Exibição do documentário La Jaula de Grilhos.
16H30-16H45: Intervalo
16H45-17H45: Mesa redonda com os editores presentes na Feira.
17H45-18H00: Apresentação das edições da Revista Bíblia, por Tiago Gomes.
18H00-18H15: Apresentação da Editora volta d’mar por Luís Paulo Meireles e Mário Galego.

Dia 10, Sexta-feira (noite)
Guilherme Cossoul de Santos

21H30-22H30: Peça de Teatro «A Fumaça diz-me que sim» – por Cláudio Henriques. Produção de Mandrágora e Sociedade de Instrução Guilherme Cossoul.

est004
22H30-23H10: Recital de poesia: Marco Ramirez, Natalia Jaramillo, Silvana Tobón, Margarita Mejía.
23H10-23H30: Performance de Manuel Almeida e Sousa.
23H30-23H40: Leituras de poemas e excertos de obras da Editora Companhia das Ilhas, por Carlos Alberto Marques e Sara Santos.
23H40-23H50: Leitura de poemas e excertos de obras da Editora volta d’mar por Luís Paulo Meireles e Mário Galego.
23H50-00H15: Performance de Fernando Aguiar.

(durante toda a noite, animação pelo DJ Ricardo Mestre)

Dia 11, Sábado (tarde)
Guilherme Cossoul de Campolide

15H00-15H15: Apresentação da colecção de contos “Onda Curta” da Editora 4águas, por Fernando Esteves Pinto e Vítor Cardeira. Leituras por Tiago Nené.
15H15-15H30: Apresentação da AAPA – Associação de Artistas Plásticos do Algarve, por José Bivar e Adão Contreiras.
15H30-15H45: Apresentação do «Tarot Poético de Éris» (Editora Um comboio na nudez dos carris), por Juan Affy.
15H45-16H00: Apresentação da Editora Artefacto e das edições da Guilherme Cossoul por Paulo Tavares.
16H00-16H45: Lançamento do livro “Na ordem do dia”, de João Vasco Coelho, Edições Artefacto. Leitura de poemas pelos actores do Grupo de Teatro da Guilherme Cossoul.
16H45-17H00: Intervalo
17H00-17H15: Apresentação do livro “Que o Fogo Recorde os Nossos Nomes” de Antonio Orihuela, Editora Medula, por manuel a. domingos.
17H15-17H30: Apresentação da colecção de poesia da Editora Lua de Marfim, por Paulo Afonso Ramos.
17H30-17H45: Apresentação das Edições Pasárgada, por Ozias Filho, e leitura de poemas.
17H45-18H00: «Fanzines, esses desconhecidos» por Geraldes Lino, editor de fanzines de Banda Desenhada.

Dia 11, Sábado (noite)
Guilherme Cossoul de Santos

21H30-22H30: Espectáculo “Leonor Pela Verdura” pelo Grupo Mandrágora, com Bruno Vilão e Íris Santos, com base na poesia experimental/concreta portuguesa.

leonor7

22H30-23H10: Recital Poético: Antonio Orihuela, Uberto Stabile, Dante Medina, Cristine Grando.
23H10-23H20: Leitura do conto “Dias no Escafandro” por Ozias Filho e Inês Lampreia (Edições Pasárgada).
23H20-23H40: Leitura de autores da Editora tea for one por Miguel Martins e concerto pelos Favola da Medusa.
23H40-00H15: Espectáculo de Fado por Maria Emília.

(durante toda a noite, animação pelo DJ Ricardo Mestre)